Acredito que todo mundo saiba o que foi o “The Fappening“, e como ele aconteceu no pior momento possível para a Apple: a empresa que já vinha ensaiando um maior uso da Nuvem há alguns anos, anunciou a expansão de vários serviços, e a criação do Apple Pay, um serviço de pagamentos que irá concorrer com o PayPal (ok, e com outros serviços, mas vamos focar na empresa do Peter Thiel). E todas essas novidades que vêm junto com o iPhone 6, exigem mais confiança do consumidor, na capacidade da Apple, de manter os seus dados seguros e sua privacidade intacta.

Acontece que o mundo acabou conhecendo a nudez da Jennifer Lawrence – e de outras celebridades – justamente porque elas guardavam as imagens no serviço de armazenamento da Apple. Se foi culpa da empresa ou dos usuários, eu não vou discutir aqui, porque não tenho conhecimento técnico pra tanto… Mas que a imagem da empresa ficou arranhado, ficou.

E aproveitando isso, o PayPal fez um anúncio de página inteira no The New York Times, lembrando a você, que existem soluções mais seguras (palavras deles, não minhas) para armazenar os seus dados financeiros. Com a chamada “Nós, as pessoas, queremos nosso dinheiro mais bem protegido que nossas selfies”, a maior empresa de pagamentos online quer colocar o medo no coração das pessoas. Mas será que eles conseguem atingir os Applemaníacos?

Paypal

“Queremos nosso dinheiro mais seguro que nossas selfies” – diz anúncio do PayPay no The New York Times

Como funciona o Apple Pay, e quais as informações que a Apple coleta sobre você

O Tim Cook deu uma entrevista essa semana, afirmando que a Apple coleta a menor quantidade possível de dados sobre o usuário. Segundo o CEO da Apple, o produto deles são os iPhones, o Apple Watch, etc… Não o consumidor, nem seus hábitos. E pelo que aprendi sobre o funcionamento do Apple Pay, parece que ele está sendo sincero.

Segundo o TechnoBuffalo, a Apple disse que o seu sistema de pagamento não passa nenhum dado pessoal diretamente para o caixa que recebe o pagamento, e que a transação é feita por um “chip seguro” que está dentro do iPhone 6 e do iPhone 6 Plus… E que mesmo esse chip não tem os números do seu cartão. Levando em conta que a confirmação do pagamento é feito através da sua digital… Se o que fica armazenado, tanto na nuvem quanto no seu celular é uma chave criptografada, que funciona em conjunto com um hardware, mais uma confirmação biométrica. Acho que tá bem seguro!

E você? Confiaria os seus cartões de crédito a mesma empresa que a Kate Upton confiou suas fotos?

Deixe seu comentário