Em dezembro, o Facebook anunciou uma nova regra: anúncios com imagens poderão carregar apenas 20% de texto. Isto vale para histórias patrocinadas (os famosos posts promovidos), os anúncios padrões e até as imagens de capa.

Caso viole a regra, seu anúncio será negado. O que o Facebook quer com isso? Estabelecer de uma vez o modelo de storytelling, forçando as marcas a encontrar a combinação perfeita entre propósito, voz, conteúdo e otimização e fugir do modelo antigo de anunciar.

E pode olhar. Muitas das páginas mais engajadas do Brasil já viraram a chave. Algumas que viviam do modelo ALLTYPE, aquele “post com fundo padrão e letras garrafais” já estão dando seus pulos com ilustrações e outros truques, pelo menos nos posts que pretendem patrocinar. Mas nesse sentido muitas marcas ainda vão em passos tímidos – bem longe de fazer o que uma Oreo faz.

Segundo o próprio Facebook, essas são as melhores práticas na hora de criar conteúdo:

  • O texto do post deve ter menos de 250 caracteres.
  • Inclua o “call-to-action” nos primeiros 90 caracteres (no caso de você transformar o post em um anúncio, são só os primeiros 90 que vão aparecer)
  • Atenção a frequência – poste pelo menos uma vez por dia.
  • Inclua fotos, vídeos, links e enquetes. No Brasil, post com fotos são os que apresentam maior engajamento.
  • Envolva os FOFS – os amigos dos fãs.
  • Questione-se: é oportuno? Ou seja, isso faz sentido agora?
  • Pense nos posts como oportunidade para contar para histórias.
  • E o principal: essa história poderia vir APENAS da sua marca?

Do lado do cliente e das agências, é necessário se preparar e tratar finalmente a produção de conteúdo de social media com muito mais atenção.

Produção de imagens dedicadas para social, explorar criativamente as possibilidades do meio e exigir dos profissionais que trate cada post como sua última chance para engajar.

Afinal, fabriquinha de banners só tende a virar paisagem no mural do usuário. E isso nem as marcas, nem o Facebook querem.

Deixe seu comentário