A gigante do mobiliário sueco IKEA associou-se à empresa de construção civil Boklok para lançar casas de habitação para pessoas com demência: as casas “Silviabo”.

As casas foram concebidas pela “Boklok”, uma empresa co-proprietária da IKEA e da empresa de construção sueca SKANSKA. A filial da IKEA iniciou o projecto “Silviabo” em 2015, apoiado pela rainha Silvia da Suécia, a sua homónima. Segundo a CNN, a Boklok está na fase inicial do lançamento da Silviabo na Suécia e começa a falar com os governos locais sobre terrenos e zonagem.

Pesquisas mostram que ambientes bem projetados podem claramente melhorar este tipo de alojamentos, muitas vezes desesperadamente estéreis, padronizados e que copiam o design de ambientes médicos. “Tentamos desinstitucionalizar essa abordagem porque as pessoas querem viver o mais normalmente possível”, disse Frank van Dillen, co-fundador da Dementia Village Advisors, ao The Guardian. Van Dillen é um dos arquitetos que projetou Hogeweyk, uma comunidade de demência perto de Amsterdã. “Você quer ir a um restaurante, fazer suas próprias compras, sentar-se em um bar, sair e conhecer pessoas”, disse ele.

Numerosos estudos afirmam como uma casa bem desenhada pode ser terapêutica para alguém com demência, servindo até como “auxiliar para várias mudanças na cognição”, como sugere um artigo de 2018 no The Gerontologist. Um espaço mal concebido pode ser debilitante, até mesmo traumatizante e pode impedir que os pacientes se tornem auto-suficientes.

A empatia é a regra de ouro no design para pessoas com demência, explicou Ruth Drew, diretora do serviço de informação e apoio da Associação de Alzheimer. “Em geral, é importante olhar realmente para uma casa através dos olhos de uma pessoa com Alzheimer ou outra doença demencial”, disse ela.

“Há uma grande necessidade na Suécia de habitação para os idosos. As mudanças demográficas que vemos parecem ser mais ou menos as mesmas em muitos países”, disse Magdalena Stadler, gerente de projetos da BoKlok. “Hoje, as ofertas no mercado imobiliário são bastante caras – para os poucos ricos, e não para os muitos. Nossa esperança é que a SilviaBo possa ser uma pequena parte de uma solução melhor”, disse a mesma à Dezeen.

Até agora, a empresa construiu um pequeno piloto com seis apartamentos nos arredores de Estocolmo. A Silviabo também planeia oferecer uma versão da sua casa aos recém-reformados de 65 anos, com pequenos ajustes e opções para adicionar determinadas funções de acessibilidade.

Muitas vezes me pedem exemplos de como adicionar um benefício emocional a um produto funcional. Aqui está uma excelente resposta.Uma ideia criativa excepcional com um desejo genuíno de ter um impacto na vida das pessoas. Quando isso é conseguido com sucesso, como neste caso, nos tornamos significativos, nos tornamos parte da vida das pessoas.

Deixe seu comentário