Candy project redatores publicidade

O que acontece quando a máquina da publicidade para, respira e, ao invés de instigar um consumo desenfreado por novas versões de novas coisas nem tão necessárias assim, resolve ser solução para um problema que é, infelizmente, tão comum em nosso país? O criativo Candy Project – que é uma ideia totalmente independente – me fez parar e refletir sobre esse poder que nós, profissionais da comunicação, acabamos por desenvolver e nem se quer notar o grande potencial de mudança que existe nas entrelinhas de nossas perspectivas, ideias, visões, desenvolvimento de ações, comerciais, campanhas e títulos.

O projeto reuniu alguns redatores e sua maior expertise, que não se resume em tecladas e escrita, afinal, o poder das palavras é todo um contexto que estas conseguem proporcionar, emocionam, provocam, irritam, fazem rir, fazem chorar, conseguem mudar as coisas, mover as pessoas, para frente ou para trás, para parcelamentos ou para caçar algumas moedas e, com muito bom humor, ajudar quem está sendo ajudado por este ótimo exemplo de criatividade do bem:

O poder das palavras destes redatores fez com que muitas pessoas, através do riso e da perplexidade provocado pelo bom humor, se “movessem” e caçassem algumas moedas em seus respectivos bolsos para ajudar o ilustre Thiago, reduzindo assim, sua carga de trabalho para apenas 3 horas.

Eis alguns títulos que fizeram parte da guerrilha e que, na certa, vão despertar um sorriso em seu rosto; olha só:

Em minha humilde opinião, uma criativa iniciativa que conseguiu mudar o mundo, que seja o do Thiago, dos 250 clientes que compraram balinhas dele naquele dia, e que tenha sido por apenas 1 dia. O que realmente importa é o fato de que boas ideias transformam e, nós, publicitários, sem divisões entre planejamento, redação, arte e atendimento, trabalhamos no mundo das ideias, que transformam e instigam, se praticarmos 1% em prol dessa criatividade do bem, a gente consegue mudar o mundo de muita gente.

Para mais fotografias e títulos do Candy Project, clique aqui.

24 comentários
  1. Uma simples ideia que faz grande diferença , parabéns

  2. Nossa, preciso de um incentivo e uma idéia assim, tenho uma salinha pequena…gostaria de montyar uma loja pequena…mas falta criatividade…

  3. Muito bacana fazer um JOB onde o cliente está disposto a ousar. Isso é independente do tamanho do cliente. Atitude do caramba, pessoal tá de parabéns!

    Mas, alguém sentiu que a mídia não foi englobada como "publicitários" heheheheheh
    Brincaaaaadeeeirinha!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Comunicar é Preciso… mesmo #4

E nas ruas aqui de Natal… Foto: José Alves Júnior Com isso lhes pergunto: é problema de saúde pública ou de educação pública?! O que podemos faSer ?! :p via.

WWF Brasil | Tsunami vs 11 de Setembro

Prestes a completar 8 anos do incidente do 11 de Setembro, a DDB Brasil criou uma peça intrigante e impactante para a WWF Brasil que liga esse fato com os problemas ambientais, afirmando que:  ” O Tsunami matou 100 vezes mais pessoas do que o 11 de Setembro de 2001. O planeta é extremamente poderoso. Respeite-o. Preserve-o.” Update 03.09.09: Agora o vídeo da campanha está no ar, causando ainda mais polêmica devido ao choque de realismo. Confira:

Entrevista com Ruy Lindenberg

Para o relançamento das nossas entrevistas comunicativas, hoje contamos com a participação do Ruy Lindenberg, que é VP de Criação da Leo Burnett. Confira: 1 – Qual foi o seu primeiro contato com a propaganda? Onde ocorreu? Eu estava fazendo a FGV (Fundação Getúlio Vargas), cursando administração de empresas, e aí tive um trabalho sobre propaganda. Precisava escolher um produto, definir o mercado e criar a campanha. Gostei tanto que resolvi que era criação que eu desejava fazer. A partir daí, comecei a procurar estágio e entrei para a profissão. Ou seja, pulei para o outro lado da mesa. 2 – Você acredita que o mercado da propaganda mudou bastante de quando você entrou até hoje? Quais as maiores mudanças? Mudou radicalmente. Hoje nós temos as novas mídias, a audiência está dispersa por mídias como internet, celular, televisão a cabo, televisão comercial, etc. Isso faz uma enorme diferença. Outra diferença grande é que os profissionais saem das escolas de comunicação e, muitas vezes, são PHDs em festivais. Eles vêm com todo o repertório de Clio, Cannes, NY e London Festivais, por exemplo. Até se conseguir uma idéia original, é um longo trabalho. Primeiro, um trabalho de desconstrução e depois de reconstrução. Ou seja, esquecer o que viram nos festivais e olhar melhor a vida, a música, o cinema, os hábitos do consumidor para tentar algo mais original e interessante. 3 – O que você tem achado do desempenho do Brasil nas premiações mundiais? E o que você espera para o festival de Cannes deste ano? Acho que o Brasil já esteve melhor. Na minha opinião, estamos numa época de transformação, assimilando as novas mídias e tentando fazer melhor as mídias tradicionais. E estamos nos atrapalhando no percurso. Mas logo, logo, a gente acerta o passo. 4 – Como você vê a influência da internet e dos blogs na propaganda atual? Bem, um grande número de jovens está mais ligado na internet do que na televisão aberta, e isso muda radicalmente o jogo. Alguns dizem que nós estamos deixando de ser uma sociedade de “comunicação de massa”, mas eu não acredito nisso. Pelo menos no Brasil, a influência da televisão é enorme. Mas que a coisa está mudando, está. 5 – Hoje, a maioria dos estudantes de publicidade e propaganda quando ingressam na faculdade tem um vislumbramento para a área de criação, como você vê isso? Como as agências estão se comportando com tanta procura de espaço pelos estudantes? Se você olhar bem, vai descobrir que as agências hoje têm menos duplas de criação do que no passado. Ou seja, o mercado não está crescendo como seria de se esperar. O que acontece é que ele não absorve esse número imenso de jovens que são jogados no mercado de trabalho, a maioria deles, mal preparados. Outro problema é que o campo de propaganda é tão vasto e estimulante que não se pode pensar apenas em criação. Existem outras áreas em agência muito interessantes. As áreas de internet, novas mídias, precisam de gente bem preparada e criativa. 7. Muitos dizem ser a internet o futuro da propaganda, outros a transmídia. Para você qual será o destino dos meios alternativos de comunicação? Assim como o cinema não acabou com o teatro e a televisão não acabou com o cinema, a internet e todos seus derivados (celulares, redes de relacionamento, blogs, sites, etc.) não vão acabar com as antigas mídias. Mas vai modificar o peso delas na composição total e, inclusive, a maneira como as antigas mídias devem falar com o seu público. 8. Vários clientes ainda desejam o “feijão com arroz”, ao invés de investirem em mídias digitais. Isso é ruim? Acho que a ousadia não está no fato de a mídia ser digital ou ser tradicional. A ousadia tem de estar na idéia que vai ser usada pela melhor mídia que a transmita ao consumidor. 9. Para finalizar. Que palavra você deixaria para os futuros publicitários e até mesmo para os mais experientes? O nosso trabalho é muito simples: buscar uma grande idéia. Mas vamos deixar claro: o fato de ser simples não quer dizer que seja fácil. — Gostaríamos de agradecer ao Ruy Lindenberg que foi muito atencioso e nos respondeu com muita rapilidade e com muito carinho. E também aos nossos leitores. Nos acompanhe também pelo Twitter:http://www.twitter.com/comunicadores