Prestes a completar 8 anos do incidente do 11 de Setembro, a DDB Brasil criou uma peça intrigante e impactante para a WWF Brasil que liga esse fato com os problemas ambientais, afirmando que:  ” O Tsunami matou 100 vezes mais pessoas do que o 11 de Setembro de 2001. O planeta é extremamente poderoso. Respeite-o. Preserve-o.”

Update 03.09.09:
Agora o vídeo da campanha está no ar, causando ainda mais polêmica devido ao choque de realismo. Confira:

10 comentários
  1. é o anúncio que nos faz soltar um poderoso: PQP!

    =] excelente!

  2. Só pra vocês verem como existem fantasmas por toda a parte:

    Noticia do Blue Bus – 01/09/09

    WWF repudia anuncio que refere o 11/9 e teria sido criado pela DM9
    21:00 ‘O Tsunami matou 100 vezes mais pessoas que o 11/9. O planeta é brutalmente poderoso. Respeite. Preserve’, diz um anuncio que leva o logo do WWF e exibe o sul da ilha de Manhattan cercado por vários avioes abaixo. A ONG, no entanto, repudiou a peça e diz que nao autorizou o conceito – o anuncio foi criado pela DM9, segundo o Ad Age, que cita o Advertolog. Em um comunicado divulgado ontem, o WWF “condena veementemente este anúncio ofensivo e de mau gosto” e diz que nao autorizou nem a produçao nem a publicaçao. A peça apareceu em vários sites, diz a ONG. Detalha que teria sido criada “por uma agência interessada em nossa conta no Brasil”. O Ad Age vai fundo na crítica à criaçao do anuncio e diz, entre outras coisas, que os autores do trabalho sofrem nao apenas de falta de sensibilidade, mas também sao “cientificamente ignorantes”. Explica – “Tsunamis, afinal, nao têm nada a ver com preservaçao e conservaçao. Eles sao tradicionalmente causados por terremotos ou outras forças geológicas, as quais, da ultima vez que pesquisamos nao sao fenômenos afetados pela extinçao de animais, desmatamento ou aquecimento global”. Blue Bua nao conseguiu ouvir até agora nenhum porta voz da DM9 q manifestasse a posiçao da agencia sobre o assunto.

  3. Mau gosto!! Esses criativos na eterna busca pelos leões dourados… Acabam enfiando o rabo entre as pernas e fazendo aberrações como essa!

  4. Bárbaro!!!!!!! Muito bom!! Uma obra DE ARTE!!
    A verdade é que pessoas em todo o mundo podem morrer, mas não “A América”, os únicos habitantes desde continente, não é?
    Os EUA nada podem fazer pelo planeta, o Tratado de Quioto não é relevante. Os americanos bancaram muitas guerras em todo mundo, destruíram muitas construções, são responsáveis por muitas e muitas mortes, mas só devemos sofrer e chorar pelas mortes de 11 de setembro.
    A muito tempo eles se tornaram a cruz do mundo e felizmente somente duas torres foram atingidas em seu país. Quando países gostariam que suas histórias de tragédias e sofrimento fosse como esta? Não quero ser cruel, mas reslista. Será que vamos ter que esperar a natureza matar cem mil americano para eles tomarem uma posição favorável ao Tratado de Quioto?
    Achei o anúncio muito reflexivo. “Americanos hipócratas parem de viver no seu mundinho idealizado e vejam, olhem, observem…Vocês estão no mesmo planeta que os seres humanos que vocês desprezam e as consequências de seus atos não vão por muito tempo atingir somente os outros países, as outras famílias.”
    E quando isso acontecer ainda vai ter brasileiro flagilizado???
    Ahhh, me polpe!!!!

  5. Eu havia visto o anúncio antes de saber da polêmica. E achei um lixo.

    Porque está errado (só a WWF sabia que tsunami não tem nada a ver com preservação do planeta?), porque não comunica nada (a analogia com 11/09 pra falar de tsunami pra remeter à necessidade de preservação, ainda que certa, seria muito distante) e porque desempenha papel nenhum (preserve o planeta? ah, tá: como?). Pelo visto quem criou nem tentou entender o que a WWF faz e como faz.

    Não bastasse tudo isso, o anúncio é apelativo, usando do mau gosto para criar impacto. Pior: sobre um tema que é sensível para muitas pessoas, sejam americanas ou não. E não estamos falando de ser politicamente corretos: o objetivo deveria ser o de engajar pessoas, não de repudiá-las. Usando-se o 11/09 de forma gratuita e grotesca, isso não será possível.

    É o típico anúncio pensado em premiação. Tanto que nem quiseram saber se o cliente havia aprovado ou não pra inscrever.

    Como desgraça pouca é bobagem, inscrevem o fantasma numa premiação com o longo do cliente mas sem o aval. Transformaram o fantasma em assombração.
    Mas tudo bem, é só jogar a culpa é nos “jovens profissionais”, como se eles pudessem inscrever a peça sem algum “responsável” da agência ficar sabendo.

    Mas o que surpreendeu mesmo, no final das contas, foi a qualidade dos comentários postados por alguns “comunicadores”. Além da ignorância sobre a língua pátria, demonstram total desconhecimento da ética profissional e do papel da propaganda.
    Não admira a profissão ser tão desvalorizada.

  6. Muito interessante mesmo,mexeu com bom senso moral e abriu espaço para pensantes de todos os níveis.Tais como: mais idiotas e menos idiotas. Nada de novo,ainda assim, orgulho Americano só impressiona os menos alfabetizados e improdutivos em todos os sentidos. Entretanto, os impactos que ocorrem no planeta nos apróxima do ceú ou do inferno, é só uma questão de patriotismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Entrevista com Ruy Lindenberg

Para o relançamento das nossas entrevistas comunicativas, hoje contamos com a participação do Ruy Lindenberg, que é VP de Criação da Leo Burnett. Confira: 1 – Qual foi o seu primeiro contato com a propaganda? Onde ocorreu? Eu estava fazendo a FGV (Fundação Getúlio Vargas), cursando administração de empresas, e aí tive um trabalho sobre propaganda. Precisava escolher um produto, definir o mercado e criar a campanha. Gostei tanto que resolvi que era criação que eu desejava fazer. A partir daí, comecei a procurar estágio e entrei para a profissão. Ou seja, pulei para o outro lado da mesa. 2 – Você acredita que o mercado da propaganda mudou bastante de quando você entrou até hoje? Quais as maiores mudanças? Mudou radicalmente. Hoje nós temos as novas mídias, a audiência está dispersa por mídias como internet, celular, televisão a cabo, televisão comercial, etc. Isso faz uma enorme diferença. Outra diferença grande é que os profissionais saem das escolas de comunicação e, muitas vezes, são PHDs em festivais. Eles vêm com todo o repertório de Clio, Cannes, NY e London Festivais, por exemplo. Até se conseguir uma idéia original, é um longo trabalho. Primeiro, um trabalho de desconstrução e depois de reconstrução. Ou seja, esquecer o que viram nos festivais e olhar melhor a vida, a música, o cinema, os hábitos do consumidor para tentar algo mais original e interessante. 3 – O que você tem achado do desempenho do Brasil nas premiações mundiais? E o que você espera para o festival de Cannes deste ano? Acho que o Brasil já esteve melhor. Na minha opinião, estamos numa época de transformação, assimilando as novas mídias e tentando fazer melhor as mídias tradicionais. E estamos nos atrapalhando no percurso. Mas logo, logo, a gente acerta o passo. 4 – Como você vê a influência da internet e dos blogs na propaganda atual? Bem, um grande número de jovens está mais ligado na internet do que na televisão aberta, e isso muda radicalmente o jogo. Alguns dizem que nós estamos deixando de ser uma sociedade de “comunicação de massa”, mas eu não acredito nisso. Pelo menos no Brasil, a influência da televisão é enorme. Mas que a coisa está mudando, está. 5 – Hoje, a maioria dos estudantes de publicidade e propaganda quando ingressam na faculdade tem um vislumbramento para a área de criação, como você vê isso? Como as agências estão se comportando com tanta procura de espaço pelos estudantes? Se você olhar bem, vai descobrir que as agências hoje têm menos duplas de criação do que no passado. Ou seja, o mercado não está crescendo como seria de se esperar. O que acontece é que ele não absorve esse número imenso de jovens que são jogados no mercado de trabalho, a maioria deles, mal preparados. Outro problema é que o campo de propaganda é tão vasto e estimulante que não se pode pensar apenas em criação. Existem outras áreas em agência muito interessantes. As áreas de internet, novas mídias, precisam de gente bem preparada e criativa. 7. Muitos dizem ser a internet o futuro da propaganda, outros a transmídia. Para você qual será o destino dos meios alternativos de comunicação? Assim como o cinema não acabou com o teatro e a televisão não acabou com o cinema, a internet e todos seus derivados (celulares, redes de relacionamento, blogs, sites, etc.) não vão acabar com as antigas mídias. Mas vai modificar o peso delas na composição total e, inclusive, a maneira como as antigas mídias devem falar com o seu público. 8. Vários clientes ainda desejam o “feijão com arroz”, ao invés de investirem em mídias digitais. Isso é ruim? Acho que a ousadia não está no fato de a mídia ser digital ou ser tradicional. A ousadia tem de estar na idéia que vai ser usada pela melhor mídia que a transmita ao consumidor. 9. Para finalizar. Que palavra você deixaria para os futuros publicitários e até mesmo para os mais experientes? O nosso trabalho é muito simples: buscar uma grande idéia. Mas vamos deixar claro: o fato de ser simples não quer dizer que seja fácil. — Gostaríamos de agradecer ao Ruy Lindenberg que foi muito atencioso e nos respondeu com muita rapilidade e com muito carinho. E também aos nossos leitores. Nos acompanhe também pelo Twitter:http://www.twitter.com/comunicadores

O lugar pra relaxar e ….

A infeliz frase da nossa excelentissíma ministra do Turismo ainda rende. Dia 16 tinha visto esse outdoor do motel Dolce Amore, para “homenagear” a ministra, que veio lançar o Plano Aquarela II, e não tive como tirar a foto, mas o amigo Zé Alves enviou e estou postando! O outdoor ficou posicionado estrategicamente no começo do viaduto de Parnamirim, melhor lugar só dentro do aeroporto hehe. Só não sei que agência promoveu essa ‘homenagem’ hehe. Quem souber me avisa colocando nos comentários ok? E depois Relaxe e Curta o blog rsrs!

12/12/12. Sabe quem faz aniversário hoje? #parabenssilvio

Tenho certeza que quando você acessou sua timeline do Facebook ou Twitter, viu pelo menos uma pessoa comentando sobre a data de hoje, 12/12/12. Realmente a data é especial: o maior Comunicador do Brasil, Silvio Santos,  está aniversariando! E para não passar em branco, a Colgate criou essa homenagem para o dono do sorriso mais emblemático da TV brasileira,  que traz uma série de imagens do seu sorriso em diferentes épocas. A criação é da agência VML em parceria com o SBT. O que achou da simpática homenagem?